quinta-feira, 14 de junho de 2012

- Senhores palhaços!

- Ué, como assim você não vai se levantar para cantar o Hino Nacional?
- Não. Eu não curto essa música. Essa não foi a melhor melodia que ouvi durante todos esses anos. A letra possui um português impecável, mas a realidade é outra.
Essa aí é a que os políticos te enganam, desde o princípio. Sem dúvida, uma das melhores armas que já inventaram contra o senso crítico.

    Já vi muitas pessoas fazerem vários tipos de protestos. Apesar de serem poucas, é verdade. Contudo, nunca havia presenciado alguém que se recusa a cantar o Hino Nacional e ela prosseguiu:
- Eu me recuso a cantar o hino e fazer obrigatoriamente a posição de "Sentido". Convenhamos isso não faz sentido algum.
O que vocês acham de mim agora? Que sou louca. Eu pouco me importo para a opinião de vocês. Em todo o caso, pare e pense, por favor!
"Paz no futuro". É exatamente isso que eles querem e precisam manipular vocês com essas palavras sofisticadas.
Decididamente, eu não quero mais ser assim, CHEGA! Esse é o meu protesto, que começa hoje aqui. Vou lutar para que eu não seja mais taxada de louca. Quero ser alguém. Ter um nome e ter conhecimento. Para tentar provar que quero que o nosso mundinho seja um pouco melhor. Quero aprender a gostar desse hino. Preciso da ajuda de quem já percebeu o que digo aqui.
Por que vocês acham que esse Hino é obrigatório nas escolas, em mundiais esportivos e em vários outros lugares como este? São as palavras lindas que te convencem de que existe uma realidade absoluta embasada por trás desse hino.
Eu me recuso a fazer parte da maioria que está aqui presente. Aceito as consequências. E que elas venham neste instante. Tenho todo o direito de abaixar a cabeça e me vestir de luto, ao ouvir essa melodia e não cantá-la.
Eu mereço odiar esse hino por não haver palavras consagradas na realidade.
Bom, como já disse tudo o que havia para dizer, me retiro desse lugar. Tenham uma boa noite e uma boa reflexão, senhores palhaços!

A certa altura, depois que a menina foi embora, houve um silêncio. Logo mais, aplausos. Naquele momento não deu mais para distinguir se eles eram voltados para ela, ou para o hino. Isso descobriremos juntos.

13 comentários:

  1. Realidade, talvez essa seja a melhor forma de dizer o quanto seu texto esta correto. Um hino falso Nacional, talvez. Pátria, povo heróico? Não é falta de patriotismo, é que vivemos num país tão relaxado que deixamos essa coisa de patriota dentro do guarda-roupa quando vamos trabalhar. Aplausos!
    Se puder visitar: http://cappuccinoeaconta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nesta segunda tive uma discusão com um colega de categoria, na sala dos professores, apos voltarmos da guadra onde os alunos são coagidos a cantar o hino nacional um professor mais uma vez ficou fazendo piadinha dizendo que eu iria voltar para guadra e cantar o hino sozinho. Dessa vez não levei na brincadeira, perguntei se ele tava com algum problema comigo, disse mais uma vez não canto hino não acredito em patria- nação ese é meu direito de liberdade polica e ja me basta toda segunda feira ficar ouvindo uma seção hmofobica durante o intervalos das aulas. Com isso consegui que todos fossem contra amim, afinal é tudo brincadeira é sempre tudo brincadeira. Sou internacionalista acredito que a verdadeira contradição esta em proprietarios e não proprietarios do meio de produção indempentente de qual patria tenha identidade ede posicionamento de classe e não nacional. Trabalhadores do mundo univos!!!

    ResponderExcluir
  3. Uma pena que essa seja a realidade aqui. Enquanto a maioria dos países tem orgulho de serem patriotas, aqui eles encaram isso como algo cômico, talvez nem isso. Uma pena isso acontecer, pois não sabem que os países de sucesso são aqueles em que os seus habitantes amam e respeitam onde vivem.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Você escreve muito bem... parabéns :)

    ResponderExcluir
  6. Ótimo texto e a pura realidade. Muitos cantam este hino sem ao menos saber o que ele significa, pois se soubessem, não o cantariam e nem se orgulhariam por possuir tão belas palavras como dilema deste país. Ao contrário, se envergonhariam da hipocrisia e do paradoxo existente nisso tudo!

    Adorei!

    Bjsss quero ver mais textos seus :D
    Eu tbm atualizei o meu, fique a vontade para visitar quando quiser!

    ResponderExcluir
  7. Realidade nua e crua , infelizmente bem estranha e obscura !!!

    Parabens pelo texto !
    Se tiver tempo da uma olhada no meu blog? De qualquer forma brigado e boa sorte , beijo !

    ResponderExcluir
  8. Katia, gostei da sua estória! =)) Interessante. Realmente é preciso repudiar essa fachada que criaram para nós como sendo o Brasil e ver a realidade. O hino nacional por si só é mesmo uma palhaçada! =D Bjos

    ResponderExcluir
  9. Leonnardo Medeiros20 de junho de 2012 11:21

    Bem, concordo que a palavras dos versos do Hino são muito mais bonitas do a realidade que elas tratam. Mas acho que o problemas não é somente dos políticos é de todos. Somos um povo que aceita tudo de cabeça baixa, que se une para carnavais, festas e afins. Só que para se unir para fazer valer nossos direitos, onde estamos? Acho muito bonito fazer campanhas, postar no Facebook. Mas não é assim que vamos mudar a nossa história. Quando pararmos de tentar dar o jeitinho, de chamar o policial de bandido quando nós mesmos aceitamos dar uma cervejinha em troca de uma multa mais cara, de eleger o político que roubou durante 4 anos, talvez seremos um país que faça jus ao hino que tem. Apesar de concordar com você em diversos aspectos, respeito sua opinião e gostei da crítica. Também continuarei cantando o hino lembrando das coisas boas que este país ainda tem, fazendo a minha parte e desejando que um dia essa letra possa fazer realmente sentido.
    Um abraço e parabéns pelos textos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, corrigindo: Os políticos são o problema, e nós somos a solução.

      Excluir
    2. Leonnardo Medeiros27 de junho de 2012 18:28

      Somos todos problemas quando compactuamos com que estão fazendo. Quem os colocou lá? Além disso, se não combramos, aceitamos.

      Excluir
  10. Oi Kátia! Adorei o texto, crítico e conciso. Que os olhares se tornem críticos diante de qualquer imposição!
    Abraço, Isabela.

    ResponderExcluir
  11. Esse texto está perfeito!! Faz a gente parar pra pensar!! Muito bom...

    ResponderExcluir